Ministério Agricultura

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Assista aos Vídeos da Delação de Joesley Batista
















Tite Convocou Seleção Brasileira Para Jogos Contra Argentina e Australia

O técnico da Seleção Brasileira, Tite, convocou 24 jogadores para os amistosos contra Argentina e Austrália no próximo mês, nos dias 9 e 13. As partidas serão disputadas em Melbourne, no Melbourne Cricket Ground. Confira a lista que o treinador divulgou na manhã desta sexta-feira (19), na sede da CBF. 
Goleiros:
Diego Alves - Valência
Weverton - Atlético Paranaense
Ederson - Benfica

Zagueiros:
David Luiz - Chelsea
Gil - Shandong Luneng
Jemerson - Monaco
Rodrigo Caio - São Paulo
Thiago Silva - PSG

Laterais:
Alex Sandro - Juventus
Fagner - Corinthians
Filipe Luis - Atlético de Madrid
Rafinha - Bayern de Munique 

Meio campistas:
Fernandinho - Manchester City
Giuliano - Zenit
Lucas Lima - Santos
Paulinho - Guangzhou Evergrande
Philippe Coutinho - Liverpool
Renato Augusto - Beijing Gouan
Rodriguinho - Corinthians
Willian - Chelsea

Atacantes:
Diego Souza - Sport
Douglas Costa -  Bayern de Munique
Gabriel Jesus - Manchester City
Taison - Shakhtar Donetsk

Eleição Direta em Caso da Saída de Temer é Conversa de "Anta Política"

Estou vendo algumas pessoas completamente alienadas politicamente falar em eleição direta em caso de saída de Michel Temer da presidência. Isso é conversa de "Anta Política" que não tem o mínimo conhecimento do processo politico brasileiro. 


A constituição não permite eleição direta em caso de saída do presidente e do vice. A constituição brasileira é clara neste ponto,  não tem discussão. Em caso da saída do presidente e do vice, o presidente da Câmara dos Deputados assume o cargo provisoriamente e tem que imediatamente convocar o congresso para eleição INDIRETA de um presidente. Ou seja, quem vai escolher o novo presidente para concluir o mandato até a próxima eleição presidencial é o congresso nacional. 


O que algumas antas políticas espalharam por ai é a votação de uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) ou seja,  mudar a constituição para convocar eleição direta. Isso é coisa de petralha para iludir a turma do pão com mortadela. Não existe nenhuma chance de uma proposta desta passar em votação no congresso nacional neste momento. O congresso nacional não vai mudar a constituição simplesmente para permitir que o Lula participe da eleição.  

Pela Constituição, tanto na hipótese de renúncia quanto num eventual cenário de impeachment, deverão ser realizadas novas eleições. 

Conforme o Artigo 81, como faltam menos de dois anos para o fim do mandato (que se encerra em dezembro de 2018), a eleição seria feita pelos deputados e senadores, 30 dias depois da vacância no cargo. 
Até lá, assume interinamente o presidente da Câmara, posto atualmente ocupado por Rodrigo Maia (DEM-RJ).
Numa eventual eleição indireta, feita pelos parlamentares, deverão ser eleitos o novo presidente e o novo vice-presidente da República. 
A sessão seria convocada pelo presidente do Congresso Nacional e do Senado, posto atualmente ocupado por Eunício Oliveira (PMDB-CE). 


Estariam aptos brasileiros natos com mais de 35 anos, filiados a partido político e que não se enquadrem em qualquer das restrições da Lei da Ficha Limpa – como, por exemplo, terem sido condenados por tribunal colegiado. 

As votações

No Congresso, seriam realizadas duas votações, uma secreta, somente para o cargo de presidente, e outra, também secreta, exclusiva para o vice. 


Seriam eleitos aqueles que obtivessem a maioria absoluta dos votos dos congressistas, isto é, 298 parlamentares, entre deputados e senadores. 


Se um candidato não se alcançar esse número, deve ser feita uma nova votação. Se, mesmo assim, nenhum candidato conquistar a maioria absoluta, será feita uma terceira votação, que deve eleger o que conseguir a maioria dos votos. 


Após o resultado, no mesmo dia os vencedores seriam proclamados pelo Congresso. 


Os novos mandatários seriam eleitos para mandatos que também terminariam no dia 1º de janeiro de 2019, cumprindo o término do período para o qual foram eleitos, em 2014, Dilma Rousseff e Michel Temer.

Marconi confirma para este ano restauração da GO-174 entre Rio Verde e Montividiu


- Com 60 quilômetros de extensão, obra tem ritmo intenso e terá terceira faixa com 25 quilômetros
- Trecho é rota de escoamento de boa parte da safra de grãos da Região Sudoeste de Goiás
- Rodovia receberá camada dupla de massa asfáltica para suportar tráfego de veículos pesados
Por determinação do governador Marconi Perillo, a obra de restauração da GO-174, no trecho de 55 quilômetros entre Montividiu e Rio Verde, já em andamento, tem previsão de conclusão para este ano. Os trabalhos de construção do Anel Viário, anexo à rodovia, que deve desviar o tráfego de caminhões nas vias urbanas de Rio Verde, deverão ser concluídos no ano que vem.

Em ritmo intenso, a obra, que receberá investimentos de R$ 59,9 milhões, vai contar com 25 quilômetros de terceira faixa, com objetivo de tornarem mais seguras as ultrapassagens na rodovia. O trecho, que concentra boa parte do tráfego para o escoamento da safra de grãos da região Sudoeste de Goiás, terá camada dupla de massa asfáltica, com oito centímetros de espessura. Também serão executadas as sinalizações horizontal e vertical. 

“Estou feliz porque estamos dando sequência ao programa Goiás na Frente, ajudando a melhorar a competitividade, sobretudo dando condições para que os produtores produzam e escoem bem sua safra. Além do que, isso vai ser muito importante para as pessoas que vivem aqui. Para as pessoas que têm filhos, que vão para a escola, para os trabalhadores, enfim. É uma obra fundamental para o desenvolvimento de Rio Verde”, declarou Marconi, durante vistoria à obra em abril passado. Ela está sendo executada pela Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop).

PM apresenta esclarecimentos sobre homicídio de sargento em tentativa de assalto à residência


Suspeitos de crime são menores de idade. Comandante-geral da Polícia Militar, coronel Divino Alves critica legislação que beneficia jovens infratores. Titular da SSPAP, Ricardo Balestreri, em nota, lamenta tragédia e diz que policial “defendeu heroicamente seus familiares”. Vice-governador José Eliton disse que “é preciso coragem para discutir aspectos como a redução da maioridade penal”

A Polícia Militar apresentou nesta quinta-feira (18/05) esclarecimentos dos fatos relacionados ao homicídio do sargento Remir Rodrigues da Silva e os últimos fatos envolvendo a participação criminosa de menores de idade. O policial foi baleado e morto durante tentativa de assalto à sua residência, na noite de quarta-feira (17/05), no Setor Moinho dos Ventos, em Goiânia.

Segundo o comandante-geral da corporação, coronel Divino Alves, o sargento – lotado no 13º Batalhão da PM -, estava de folga em casa e reagiu à ação de dois criminosos que tentaram entrar no local. Na troca de tiros, um dos criminosos também foi ferido e acabou morrendo no local. O policial chegou a ser encaminhado para uma unidade de saúde em estado grave, mas acabou morrendo.

A esposa do sargento também acabou ferida, mas não corre risco de morte. O comparsa fugiu e está sendo procurado. “Precisamos nos organizar, por meio de ação política que gere mudanças na legislação, para que cesse a impunidade”, afirmou Divino Alves, ao criticar a lei atual, que, segundo ele, protege menores infratores. 

Segundo analisa o coronel, há um número considerável de ocorrências policiais em Goiânia. “Eles acabam encontrando terreno fértil na impunidade e cometem os mais variados tipos de crimes”, disse.

O comandante destacou, ainda, que roubos a estabelecimentos comerciais, assaltos a ônibus e tráfico de drogas são exemplos de crimes que contam cada vez mais com a participação de menores, que assumem a autoria do delito com a certeza de que serão libertados em breve.

Notas
A SSPAP lamentou a morte do sargento Remir Rodrigues da Silva. O titular da pasta, Ricardo Balestreri, destacou que o policial defendeu heroicamente seus familiares. “O nosso compromisso de vida é continuar honrando o sargento Remir e homens como ele, por meio da nossa dedicação e luta incessantes por maior efetivo e por cada vez melhor qualidade de trabalho para os nossos policiais”, destacou.

O vice-governador José Eliton, ex-titular da pasta, pelas redes sociais, manifestou “consternação e pesar” pelo falecimento do sargento Remir, a quem qualificou como “dedicado servidor”. Ele apresentou pêsames “a todos os integrantes da Polícia Militar goiana que se desdobram para servir e proteger a sociedade e, muitas vezes, são vitimados no exercício do dever, e até nos momentos de folga”. Segundo ele, “é preciso coragem para discutir aspectos como a redução da maioridade penal, e lutar por mudanças estruturais imediatas que garantam a paz social”.

LEGENDA PARA FOTOS: JOTA EURÍPEDES

O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Divino Alves, sobre a morte do sargento Remir Rodrigues da Silva e os últimos fatos envolvendo a participação criminosa de menores de idade: “Precisamos nos organizar, por meio de ação política que gere mudanças na legislação, para que cesse a impunidade”

Temer Anuncia Que Não Irá Renunciar e Derruba o Jornalista Ricardo Noblat

Imagem do rosto de um presidente da República visivelmente abatido acompanhada do título “Temer decidiu renunciar”. Esses foram os elementos de destaque do post divulgado pelo jornalista Ricardo Noblat no blog que mantém no site de O Globo. A informação de que o peemedebista estaria prestes a se despedir do Palácio do Planalto foi divulgada às 15h06 desta quinta-feira, 18, mas não se confirmou (ao menos por enquanto). Por volta das 16h, o político, denunciado em delação do empresário Joesley Batista, garantiu que seguirá como chefe de Estado.
“Não renunciarei. Repito: não renunciarei”, disse Temer em pronunciamento para a imprensa que foi transmitido ao vivo pela página oficial do governo federal no Facebook. Ao discursar, o presidente rebateu a acusação de que solicitou ao dono do grupo JBS a continuação de pagamento de propina para o ex-deputado federal Eduardo Cunha. Ele ainda garantiu não temer delações e disse que irá provar sua inocência no Supremo Tribunal Federal (STF). As denúncias contra o sucessor de Dilma Rousseff foram veiculadas com exclusividades pelo site de O Globo, em reportagem produzida por Lauro Jardim e Guilherme Amado
Com o posicionamento de Temer nesta tarde, Noblat usou o Twitter para explicar que não cometeu nenhuma “barriga”, termo usado por profissionais do jornalismo para se referirem a erros cometidos por veículos de comunicação. O colunista de O Globo afirmou que a “permanência de Temer é temporária”. Alguns internautas, entretanto, não aceitaram o posicionamento público do jornalista. Pela rede social, teve gente chamando ele de “fofoqueiro”, “cara de pau”, “idiota” e “irresponsável”. Outros usuários do microblog ironizaram a informação anterior do analista político por meio de memes.

O que Noblat tinha afirmado
Em seu blog, Ricardo Noblat garantiu que Michel Temer renunciaria ao cargo de presidente da República ainda nesta quinta-feira, 18, e que para tal já tinha conversado com ministros. “Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, já foi avisado sobre a decisão de Temer. Ele o substituirá como previsto na Constituição, convocando o Congresso para que eleja o novo presidente que governará o país até o final de 2018”, pontuou o jornalista em texto que foi divulgado pela fan page de O Globo [e teve mais 56 mil reações, 49 mil compartilhamentos e 6 mil comentários]. O texto seguiu no ar mesmo após o pronunciamento de Temer.

Andrea Neves está presa em penitenciária reformada por seu irmão Aécio

Irmã e braço direito do senador Aécio Neves (PSDB-MG), a jornalista Andrea Neves foi levada na tarde desta quinta-feira ao Complexo Penitenciário Feminino Estevão Pinto após ser presa pela manhã, ser interrogada na sede da Polícia Federal (PF) e passar por exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML), em Belo Horizonte. Localizado na zona Leste da capital mineira, a penitenciária foi reformada em 2009, durante o governo de Aécio Neves.

Na condição de braço direito de Aécio e guardiã da imagem do político mineiro, Andrea acompanhou de perto iniciativas adotadas no segundo mandato do mineiro (2006-2010) para evitar a superlotação da unidade. Ela conduzia pessoalmente jornalistas em visitas à unidade. Na condição de presidente do Serviço Voluntário de Assistência Social, o Servas, ela também promoveu a inauguração de uma brinquedoteca na prisão-creche.
Andrea ficou em silêncio durante interrogatório nesta quinta feira na sede da PF. A defesa da jornalista classificou como “desarrazoada” a prisão preventiva expedida pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Andrea chegou no início da tarde desta quinta-feira ao IML de Belo Horizonte para fazer exame de corpo de delito antes de ser transferida. Locais gritaram “ladrona” para a irmã de Aécio na porta do IML.

A irmã de Aécio ficou cerca de cinco horas em uma sala da superintendência da PF. Ela foi presa pela manhã em sua casa em um condomínio fechado em Nova Lima, região metropolitana de BH. Com as mãos cobrindo o rosto, ela deixou a unidade por volta das 13h40min no banco de trás de uma viatura descaracterizada, quando se dirigiu ao IML. Por volta das 15h30m, ela já estava no Complexo Penitenciário feminino Estevão Pinto, em Belo Horizonte.

O advogado de Andrea, Marcelo Leonardo, não quis comentar sobre a condição emocional de sua cliente. Ele disse que os policiais apreenderam na casa dela dois celulares e um computador. Segundo o colunista do GLOBO, Lauro Jardim, ela intermediou um encontro entre Aécio e Joesley Batista no início deste ano, ocasião em que o tucano foi gravado solicitando uma ajuda de R$ 2 milhões ao empresário para custear sua defesa em processos da Lava-Jato.

Entenda Detalhadamente a Conversa de Joesley e Temer

O Supremo Tribunal Federal (STF) divulgou nesta quinta-feira (18) as gravações feitas pelo empresário Joesley Batista, da JBS, em uma conversa com Michel Temer. O diálogo, de cerca de 30 minutos, aconteceu no último dia 7 de março, durante um encontro entre Joesley e o presidente no Palácio do Jaburu, onde Temer mora.
A conversa passou por diversos pontos que merecem atenção, além da mais conhecida menção ao ex-deputado Eduardo Cunha. Confira, a seguir, cinco pontos essenciais para entender o diálogo entre Joesley Batista e Michel Temer:

1 – Segurando as pontas com Eduardo Cunha

“O Eduardo resolveu me fustigar”, queixou-se o presidente Michel Temer ao empresário Joesley Batista na gravação.
A reclamação do presidente era dirigida ao ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB/RJ), preso desde outubro de 2016, já condenado pelo juiz Sérgio Moro a 15 anos e quatro meses de cadeia por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.
Ele que puxou o assunto Eduardo Cunha, com a fala “Eu não sei como é que tá essa relação…”. Temer lembrou que a defesa do ex-deputado o arrolou como testemunha.
“O Eduardo resolveu me fustigar… O Moro indeferiu 21 perguntas dele que não tem nada a ver com a defesa dele, pra me entrutar, eu não fiz nada… Fatalidade… Ele tá aí, rapaz.”
Pouco depois, no meio da conversa gravada no Palácio do Jaburu, o presidente Michel Temer aconselhou Joesley Batista, do Grupo JBS: “Tem que manter isso, viu?”, em resposta a um relato sobre o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso desde outubro na Operação Lava Jato.
“O que mais ou menos eu dei conta de fazer até agora, tô de bem com o Eduardo. Eu tô segurando as pontas com ele”, disse Joesley.

2 – Pressão em Henrique Meirelles para mudar cargos

Joesley Batista pressionou o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, para conseguir cargos e mudanças em vários órgãos do governo, incluindo Receita Federal, Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e Comissão de Valores Mobiliários (CVM), e ainda criticou a atuação da presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Maria Silvia Bastos.
Batista disse que “andou falando” com Meirelles “alguns assuntos”. Ele disse que pediu a Meirelles para mudar o secretário da Receita Federal, Jorge Rachid. “Põe um cara mais dinâmico.”
Segundo o áudio, Meirelles respondeu que não poderia fazer a mudança. Batista também falou que conversou com Meirelles sobre mudar o presidente do Cade, colocar alguém “ponta firme”. Temer respondeu que já foi feita a mudança.
“Agora está para trocar o presidente da CVM e é outro lugar fundamental”, disse Joesley a Temer.

3 – O juiz e o procurador de R$ 50 mil

Batista revelou ao presidente Michel Temer que estava “comprando” um procurador da República por R$ 50 mil mensais. Em troca, o procurador infiltrado teria passado informações sigilosas sobre investigação da qual Joesley é alvo.
O procurador da República Ângelo Goulart Villela foi preso nesta quinta-feira sob suspeita de vazar investigações para a JBS. Ele era membro da força-tarefa da Operação Greenfield, que investiga rombo bilionário nos maiores fundos de pensão do país.
Joesley começa: “Aqui eu dei conta de um lado do juiz, dá uma segurada, do outro lado do juiz substituto, que é um cara que…”
“Tá segurando os dois?”, perguntou Temer.
“Segurando os dois”, respondeu o empresário.
“Ótimo, ótimo”, respondeu o presidente.
Joesley confidencia. “Eu consegui o tal do (…) dentro da força-tarefa que tá, também tá me dando informação e eu lá que eu tô para dar conta de trocar o procurador que está atrás de mim. Se eu der conta, tem o lado bom e o lado ruim. O lado bom é que dá uma esfriada até o outro chegar e tal. O lado ruim é que se vem um cara com raiva, com não sei o que…”

4 – “Se não tenho apoio do Congresso, tô ferrado”

No diálogo, Temer fez uma ampla defesa dos seus dez primeiros meses de mandato, criticou a oposição e disse acreditar no sucesso com as reformas defendidas pelo governo.
Mas admitiu, no entanto, ser imprescindível o apoio do Congresso. “Se não tenho apoio do Congresso, tô ferrado”, disse Temer a Joesley Batista, sem saber que estava sendo gravado, no início do áudio.
“Primeiro que você sabe que eu tô fazendo dez meses. Parece que foi ontem, né? Parece que foi ontem e parece uma eternidade, as duas coisas. Segundo que tem uma oposição muito rasa, uma oposição horrível. No começo, eles lançaram: ‘Golpe, golpe, golpe’. Não passou. Aí ‘a economia não vai dar certo’. Começou a dar certo. Então, os caras estão num desespero. Tem que ter apoio no Congresso. Se não tenho apoio do congresso, tô ferrado.”

5 – “Tamo junto”

“Tamo junto aí, o que o sr. precisar de mim, viu, me fala”, disse Joesley Batista, do Grupo JBS, ao presidente Michel Temer,  na noite de 7 de março, no Palácio do Jaburu. 
Aproveite e ouça o áudio na íntegra:
Arquivado em:BRASIL

'Ótimo', diz Temer ao ouvir estratégia de Joesley para segurar investigações da Lava Jato

Passava pouco das 22h30 quando o empresário Joesley Batista chegou ao Palácio do Jaburu, a residência oficial de Michel Temer. Era 7 de março deste ano. Ao passar pela guarita de segurança, o sócio do grupo JBS ouvia notícias no rádio do carro. O gravador, escondido no bolso, já estava ligado e registrava tudo. O empresário não foi importunado pela segurança e nem precisou se identificar, como de praxe – o staff presidencial, aparentemente, já estava avisado do encontro reservado.

Em poucos minutos, Joesley estava diante de Temer. A gravação foi divulgada nesta quinta-feira pelo Supremo Tribunal Federal após o ministro Edson Fachin suspender o sigilo do caso revela um diálogo aberto entre o presidente e o empresário. Os dois conversam francamente sobre assuntos espinhosos. Temer ouve Joesley falar com tranquilidade sobre o que estava fazendo para se livrar de investigações de que é alvo – em mais de uma vez, o presidente chega a aprovar as medidas – e é informado das iniciativas para calar o ex-deputado Eduardo Cunha e o operador de mercado Lúcio Funaro, que, presos, ameaçavam fazer um acordo de delação premiada com a Lava Jato capaz de comprometer muita gente, inclusive o próprio Temer e outros integrantes da cúpula do PMDB.

Após começarem a conversa tratando das medidas econômicas adotadas por Michel Temer desde que assumiu o Planalto, Joesley indaga o presidente sobre como estava a relação dele com Eduardo Cunha. “Queria saber como está…”, diz. Temer se queixa da postura do ex-deputado, que já havia dado sinais públicos de que guarda segredos capazes de comprometer Temer. “Eduardo tentou me fustigar”, diz o presidente. Joesley, então, dá um panorama do que estava fazendo em favor de Cunha – em outras palavras, dos acertos que fizera para garantir o silêncio do ex-deputado. Ele diz que “zerou” as pendências que tinha com Cunha.

“Dentro do possível, eu fiz o que deu. Zerei tudo”, diz Joesley. Ele cita também o “amigo” de Cunha, referência a Lúcio Funaro, parceiro de negócios do ex-deputado preso em Brasília desde o ano passado. O empresário arremata em seguida: “Tô de bem com Eduardo”. É quando Temer assente com uma frase que, na avaliação dos investigadores da Lava Jato, seria um sinal de aprovação aos pagamentos feitos em troca do silêncio de Cunha: “Tem que manter isso, viu?”.

Em seguida, Joesley Batista atualiza Temer sobre a situação das investigações em que ele e o grupo do qual é dono são alvos – entre elas, um processo em curso na Justiça Federal de Brasília para investigar pagamentos de propina a dirigentes de fundos de pensão de empresas estatais. É quando o empresário relata ao presidente, com a frieza de quem conversa sobre um tema comezinho numa mesa de bar, que estava cuidando de “segurar” os dois juízes que atuam no caso. “Está segurando os dois?”, pergunta Temer. “Tô segurando os dois”, responde Joesley, no que Temer responde: “Ótimo, ótimo”.
Joesley conta também ao presidente que havia cooptado um procurador da República, que lhe repassava informações privilegiadas da investigação – ele se referia ao procurador da República Angelo Goulart, preso nesta quinta-feira por ordem do ministro Edson Fachin. O empresário diz ainda que estava tentando trocar um outro procurador, encarregado de investigá-lo. “Consegui um procurador dentro da força-tarefa que também está me dando informação. E tô para dar conta de trocar o procurador que está atrás de mim. Se eu der conta, tem o lado bom e o lado ruim. O lado bom é que dá uma esfriada (no caso) até o outro chegar. E tem o lado ruim que, se vier um cara com raiva, não sei o quê…”.

Mais adiante, o empresário detalha ao presidente que estava pagando 50 mil reais mensalmente ao procurador que topara repassar informações sobre o andamento do processo. “Tô fazendo um, 50 mil por mês, dando pro rapaz e tal, e ele me dá informação”, diz.

Bomba: Dono da JBS Joesley Batista Delatou Lula e Dilma

Os analistas erraram, a delação do fim do mundo não foi de Marcelo Odebrecht. A delação do fim do mundo é de Joesley Batista, um dos donos da JBS. O jornal folha de São Paulo divulgou que nesta sexta-feira serão revelados novos detalhes da delação de Joesley Batista que que "atingem mortalmente" Lula, Dilma Rousseff, Renan Calheiros e José Serra.

"O resultado é considerado devastador e arrasta para o fundo do poço não apenas o presidente Michel Temer e o senador Aécio Neves, mas o próprio mundo político."
Quem teve acesso as delações informam que os irmão Batista estão a meses gravando seus interlocutores e pautado as ações da Polícia Federal, produzindo provas contundentes.