Ministério Agricultura

segunda-feira, 20 de março de 2017

Os Brasileiros Promovem e Fazem Piada Com a Desgraça do Brasil


fazer piada com a própria desgraça é uma caracterisca do povo brasileiro, mas não tem  graça nenhuma em promover a própria desgraça. É isso que está acontecendo com a Operação carne Fraca designada pela polícia federal que atuou no caso com extrema irresponsabilidade, sem conhecimento técnico e promoveu um prejuízo anual que pode chegar a 
US$ 15 bilhões de dólares segundo levantamento inicial. China, Coreia e Chile já suspenderam a importação da carne brasileira.
Sem noção do que realmente está acontecendo e sem nenhum critério técnico, pessoas fazem piadinha como se o problema não as atingissem, mas vai atingir e provocar uma nova crise no país assim como a vivida pela operação lava jato. Quem hoje acha graça amanhã pode sofrer as consequências da desgraça que dissemina.
Vamos analisar, com muita cautela e atenção, esta notícia polêmica em relação a CARNE BRASILEIRA, veiculada nas mídias de TV, Jornais e Redes Sociais. 

Vejamos alguns dados reais da situação apurada pela polícia federal na operação Carne Fraca: 

a) Foram dois anos de investigações em praticamente todas as plantas frigoríficas do país, para chegar a 21 unidades não conformes entre 4837 (menos de 0,5% do total) e 33 funcionários envolvidos nas fraudes entre 11.000 (0,3% do total). 

b) Depois de 2 anos de investigação, concluiu-se que 99,5% DAS UNIDADES FRIGORÍFICAS ESTÃO DENTRO DOS PADRÕES DE SEGURANÇA.

c) Após toda a investigação, viu-se que 99,7% DOS FUNCIONÁRIOS DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, NÃO COMETERAM NENHUMA IRREGULARIDADE.

Protejam o seu país, não veicule mensagens que tragam prejuízo à imagem do Brasil, apenas porque receberam um post ou mensagem de WhatsApp ou assistiram os telejornais em suas TV's. Na maioria das vezes é um desserviço ao seu país.

Nova Bomba Faz Goiás Esporte Clube Virar Caso de Polícia

Nos últimos anos as notícias do Goiás podem ser encontradas tanto nas páginas de esportes dos jornais como nas páginas policiais. O torcedor do Goiás havia até se esquecido do caso da Luppi e da dívida milionária com JF Esportes do empresário Renato Padilha,  cuja ação de execução está na Justiça e os valores atualizados superam 100 milhões de reais. 

Pois bem, esta semana as estruturas do Goiás será novamente abalada com um escândalo que virou caso de polícia, envolvendo um dirigente do clube e um empresário de futebol.

O blog já tem em mãos o comprovante bancário do caso que está sendo objeto de investigação da polícia civil.

Ministro da Agricultura Blairo Maggi Diz Que Polícia Federal Errou e Exagerou na Operação Carne Fraca

Blairo diz que houve “exagero” em operação da PF: “Faltou calma” 
"Faltou respaldo técnico para que pudessem dar certas declarações", disse o ministro 

O ministro da Agricultura Blairo Maggi criticou a forma com que a Polícia Federal (PF) conduziu e divulgou Operação Carne Fraca, deflagrada na última semana e que apurou um esquema de pagamento de propina por parte de frigoríficos a fiscais sanitários.
A operação resultou na decretação de 38 mandados de prisão para servidores e executivos de frigoríficos, entre eles JBS e BRF, os dois maiores do Brasil.
Uma das principais críticas do ministro foi direcionada a interpretação de um áudio divulgado pela PF em que dois funcionários da BRF – dona das marcas Sadia e Perdigão - supostamente falariam sobre misturar papelão com embutidos.

Houve sim exagero na forma da comunicação, faltou respaldo técnico para que pudessem dar essas declarações

Veja transcrição do áudio:

Funcionário 1: O problema é colocar papelão lá dentro do CMS (matéria-prima para a produção de embutidos) também, né? Tem mais ainda. Só que não dá pra mim tirar. É, vou ver se consigo colocar em papelão. Agora, se eu não conseguir em papelão, dai vou ter que condenar. 
Funcionário 2: Aí tu pesa tudo que nós vamos dá perda. Não vamos pagar rendimentos isso.
Para Maggi, ficou claro que os funcionários estão falando que o papelão seria para embalar os produtos e disse que faltaram “conhecimentos técnicos” à investigação.

“A questão do papelão na carne, por exemplo, é uma coisa que não deveria nem ter sido anunciada. O que está na gravação é que o funcionário reclama que acabou as bandejas de plástico. E ele pediu autorização para colocar numa caixa de papelão ou numa bandeja de papelão. Ele mesmo diz que, se não conseguir depois aceitar esse produto, fazer com que ele seja viável, ele irá jogar fora", disse Maggi.

“Então, é isso que temos reclamado da forma como foi conduzido o processo. Houve sim exagero na forma da comunicação. Faltou respaldo técnico para que pudessem dar essas declarações”, argumentou o ministro, em entrevista concedida à Rádio Capital FM, na manhã desta segunda-feira (20).



Blairo afirmou que já conversou com o diretor-geral da PF a respeito da condução da Operação.



O ministro teria indagado, inclusive, o porquê de os envolvidos na operação não terem mantido um diálogo com representantes do Ministério da Agricultura.



“Questionamos o diretor-geral da Policia Federal, porque não chamou técnicos do Mapa para falar sobre o assunto. A declaração dele é de que eles estavam investigando pessoas do Mapa. Portanto, não poderiam alardear”, disse.



“Aceitamos as desculpas e daqui para frente precisamos trabalhar em conjunto. Acho que um pouco de calma nessas horas, nessas investigações fazem muito bem porque o risco de um prejuízo ao Brasil é de bilhões de dólares, numa coisa, num procedimento desse, que não teve a paciência de consultar o Ministério da Agricultura”, afirmou.



Operação Carne Fraca 



Deflagrada na sexta-feira pela Polícia Federal , a Carne Fraca investiga fraudes em carnes produzidas por 21 frigoríficos, vendidas no Brasil e no exterior. 



Segundo a PF, fiscais do Ministério recebiam propina para liberar licenças sem realizar a fiscalização adequada nos frigoríficos. 



A investigação indica que eram utilizadas substâncias químicas para maquiar a carne vencida, e que água era injetada nos produtos para aumentar o peso.

China e Coreia do Sul Suspendem Importação da Carne Brasileira

China e Coreia do Sul já informaram oficialmente ao Ministério da Agricultura a suspensão de importação de carnes brasileiras, em consequência das revelações da Operação Carne Fraca da Polícia Federal, deflagrada na sexta-feira, 17.

No caso da China, os embarques programados para lá foram suspensos por uma semana.

Já a Coreia do Sul bloqueou apenas os embarques da BRF, especificamente. As informações foram confirmadas nesta segunda-feira, 20, pelo Ministério da Agricultura.

Principais Jornais do Mundo Dizem Que Brasil Exporta Carne Podre. Prejuízo Pode Chegar a US$ 15 Bilhões Por Ano

Aconteceu o óbvio: um dia depois da Operação Carne Fraca, que acusou grandes empresas brasileiras de pagarem propina para vender carne podre, os jornais do mundo inteiro amanheceram com manchetes sensacionalistas sobre um setor da economia em que o Brasil é – ou era – líder mundial; o escândalo repercutiu no New York Times, na BBC e em sites especializados; a consequência natural será a imposição de barreiras sanitárias ao Brasil, que poderá deixar de exportar US$ 15 bilhões ao ano; internamente, a consequência será a demissão de centenas de milhares de pessoas num país que já tem 13 milhões de desempregados e também destruiu suas próprias construtoras e seus fornecedores da cadeia de óleo e gás em razão de operações policiais; enquanto o Brasil se transforma em selva, concorrentes internacionais comemoram

 Deu no New York Times: as maiores empresas brasileiras de alimentos pagam propinas a fiscais agropecuários para servir carne podre nas merendas escolares e também para exportar carne com salmonella para a Europa (leia aqui).

Deu na BBC: a carne que o Brasil exporta para a Europa e outros países é podre (leia aqui).

Deu no Agriland, um dos principais sites agrícolas do mundo: autoridades brasileiras estão desesperadas para marcar reuniões com embaixadores internacionais, de modo a evitar sanções a exportações brasileiras (leia aqui).

Deu no Global Meat News, outro site especializado: eram procedentes as suspeitas de que o Brasil vendia carne contaminada para a Europa (leia aqui).

As consequências dessas manchetes sensacionalistas são óbvias. Os países ricos erguerão barreiras sanitárias contra as exportações brasileiras e o País perderá vendas internacionais de US$ 15 bilhões ao ano. Registre-se que as carnes são o terceiro item da pauta brasileira de exportações, atrás apenas da soja e do minério de ferro.

Com o fechamento das exportações, a primeira consequência interna será a demissão de centenas de milhares de trabalhadores, num país que já tem 13 milhões de desempregados e vive a maior depressão econômica de sua história.

Para os fazendeiros, o impacto será também devastador. Sem o mercado internacional, a carne brasileira será despejada no mercado interno, reduzindo o valor da arroba do boi e a rentabilidade da pecuária. Os preços das terras cairão ainda mais, assim como a arrecadação de impostos.

Tudo porque uma operação da Polícia Federal, batizada de Carne Fraca, foi conduzida com a tradicional pirotecnia e focou sua divulgação em aspectos sanitários.

A mensagem da PF foi clara: os brasileiros comem papelão e produtos cancerígenos nas merendas escolares e nos churrascos do fim de semana.

Com isso, os frigoríficos serão a terceira cadeia produtiva destruída por operações policiais. As construtoras brasileiras, que disputavam mercados no mundo inteiro, já foram para o saco. Os fornecedores do setor de óleo e gás quebraram. E agora é a vez das empresas de alimentos (leia aqui).

Enquanto o Brasil é destruído sob o aplauso dos ignorantes, os concorrentes internacionais comemoram.

Fonte: 247

Carne Fraca: "Quem Cultiva Marginal Não Pode Colher Cidadão" Diz Pecuarista

Amarildo Gonsalves, Pecuarista e Executivo de Banco
O homem do campo vem á anos sustentando a economia brasileira com seu trabalho e com sua produção, responsável direto pelo crescimento da economia brasileira e principalmente exportação. O agronegócio é indiscutivelmente o principal produto de exportação do Brasil. No entanto será o produtor rural, o grande prejudicado pela desvalorização da carne brasileira e quem vai pagar a conta será o Brasil. Com perda de milhões de risco de desemprego em um setor que emprega mais de 4 milhões de brasileiros.

Segundo o pecuarista Amarildo Gonsavels Pires, a   Operação Carne Fraca foi um erro grave, não poderia ter sido jogado nas redes de comunicação da forma que foi, pois, ele acredita que os erros  e falhas  encontrados em dois anos de investigação representam apenas 0.5% da grandeza do negócio. Ou seja 99.5% da carne brasileira é aprovado sem qualquer problema.  "Acho que foi algo muito pequeno diante da grandeza do negócio, deveria correr em segredo de justiça e punir os envolvidos sem escandalizar o mundo e fragilizar um setor que mesmo diante da crise estava muito bem". Afirmou o Pecuarista

Segundo o pecuarista que também é executivo de um grande banco brasileiro voltado para o agronegócio, estamos vendo agora o nosso pais ser vendido a preço de banana, os Alemães acabaram de comprar nossos Aeroportos, Italianos, chineses, mexicanos e até os Chilenos  comprando nossas empresas e agora esta no congresso matéria a ser aprovada  liberando as vendas de terras para extrangeiros, as empresas que era orgulho do país que atuava internacionalmente como Oderbrech , Petrobras, JBS, corre risco de virem serem compradas e estão desvalorizadas no exterior, fruto de um  sensacionalismo e de um erro de avaliação da Polícia Federal. "Acho que a justiça tá correta em investigar porém quando deixa vazar as informações acaba atingindo em cheio toda a classe produtiva  gerando desemprego na classe trabalhadora  que é a mais atingida  em momento de crise, fico muito triste ver nos mesmos nos destruindo, um país tão rico mas de homens tão pobres espiritualmente . Que Deus possa iluminar o nosso futuro  porque só mesmo Deus poderá nos ajudar neste momento tão difícil que passa no país , diante de tantos homens coruptos e gananciosos que não pensa em seu semelhante." Analizou o pecuarista e executivo.

Para finalizar Amarildo  diz que é preciso investir em educação para diminuir o desvio de conduta das pessoas e qualificar a população para entender o que acontece de verdade.  "Quem Cultiva Marginal Não Pode Colher Cidadão". Finaliza Amarildo Gonsalves.

João Pedro, 18 Anos, O Artilheiro "Fantástico" do Atlético-GO

Todo garoto sonha em ser jogador de futebol. Todo garoto que joga bola sonha em ser profissional. Todo garoto que joga bola sonha em ser titular em um time de série A. Todo garoto quando estreia sonha em jogar bem e fazer um gol. Agora estrear como titular, marcando 3 gols e pedido música no Fantástico é a realização de um sonho quase que poucos, pouquíssimos consegue. Um caso tão raro que não tenho conhecimento que já tenha acontecido.

O garoto João Pedro, 18 anos, estreou no time do Atlético, entrando como titular e já no seu primeiro jogo como profissional marcou os 3 gols da vitória do dragão sobre o CRAC em Catalão.

Foi uma história fantástica para o menino de 1,87, nascido em Goiânia e oriundo das categorias de base do clube.   

João pedro realizou a melhor estreia de um jogador de futebol em clube profissional da elite do futebol brasileiro que se tem noticia. 

O Papelão e Sensacionalismo da Polícia Federal na Operação Carne Fraca

Carne com papelão? Vitamina C cancerígena na salsicha? Desde que a Operação "Carne Fraca" da Polícia Federal foi deflagrada na última sexta-feira, as informações se espalharam pela internet e causaram pânico em muitos consumidores. 

Para alguns expecialistas, a maneira como a operação foi divulgada acabou gerando uma desconfiança "exagerada" sobre a carne brasileira.


"A polícia agiu mal com a maneira como divulgaram tudo. Acho que houve um certo exagero, para precipitar a loucura que foi na imprensa", disse à BBC Brasil o médico veterinário e especialista em carnes Pedro Eduardo de Felício, da Faculdade de Engenharia de Alimentos da Unicamp.

A engenheira de alimentos Carmen Castillo, da ESALQ - USP (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz), pontua que alguns ingredientes citados nas acusações, como o ácido ascórbico, são necessários para o processamento dos alimentos e é preciso tomar cuidado para não "demonizá-los".

Sobre as acusações, a JBS se manifestou dizendo que "é a maior interessada no fortalecimento da inspeção sanitária no Brasil", ressaltando que "no despacho da Justiça Federal que deflagrou a operação, não há qualquer menção a irregularidades sanitárias ou à qualidade dos produtos da JBS e de suas marcas."

Alguns especialistas ouvidos pela BBC Brasil avaliam o modo como as informações foram divulgadas como "sensacionalista".

"A divulgação da operação foi muito sensacionalista. Essa é uma questão pontual. Estou nesse mercado, estudando e trabalhando, há 30 anos. Uma das empresas que dirijo importava carne do Uruguai e da Argentinos até 2012. Hoje, 100% da carne que usamos é produzida no Brasil porque melhorou muito a qualidade", afirma Sylvio Lazzarini, dono do restaurante Varanda Grill, em São Paulo.

Papelão

Ao anunciar a operação, a PF mencionou que empresas envolvidas no esquema de corrupção "usavam papelão para fazer enlatados (embutidos)".
Em uma das ligações telefônicas citadas no relatório da Polícia, funcionários da BRF falam sobre o uso de papelão na área onde produzem CMS (carne mecanicamente separada, comumente usada na produção de salsichas).
No áudio, é possível ouvir:
Funcionário: o problema é colocar papelão lá dentro do cms também né. Tem mais essa ainda. Eu vou ver se eu consigo colocar em papelão. Agora se eu não consegui em papelão, daí infelizmente eu vou ter que condenar.
Luiz Fossati (gerente de produção da BRF): ai tu pesa tudo que nós vamos dar perda. Não vamos pagar rendimentos isso.
Pedro Felício acredita que a referência ao papelão não foi feita como ingrediente para o processamento da carne. "Acho muito difícil isso ter acontecido. O que acontece é que tem áreas dentro das indústrias que são chamadas de áreas limpas, onde não podem entrar embalagens secundárias, como caixas de papelão", diz.
"Na gravação que ouvi, duas pessoas falavam em entrar com uma embalagem de papelão na área limpa. Evitar papelão nessas áreas faz parte das boas práticas de manufatura, mas não fazer isso não é o mesmo que usar papelão dentro da salsicha."
Em nota, a empresa BRF afirmou que "houve um grande mal entendido na interpretação do áudio capturado pela Polícia Federal". 
A empresa afirma que um de seus funcionários falava que tentaria embalar a carne em papelão. O produto é embalado normalmente em plásticos. 
"Na frase seguinte, ele deixa claro que, caso não obtenha a aprovação para a mudança de embalagem, terá de condenar o produto, ou seja, descartá-lo", afirma a empresa.

domingo, 19 de março de 2017

Bruna Marquezine Pede Licença da Globo e Neymar Tenta Emplacá-la em Hollywood

Bruna Marquezine pediu licença na Globo para descansar a imagem e estudar fora do Brasil. A princípio, a direção da emissora carioca acatou o pedido da artista, focada nos estudos, e ela não volta à TV durante esse ano. Segundo a coluna "Telinha", do jornal "Extra", por esse motivo a escalação da atriz para "Amor e Morte", novela na qual será protagonista, ainda não está definida. O papel principal foi oferecido à namorada de Neymar, mas ela tem carta branca para decidir o que fazer, já que nunca recusou trabalho e é considerada funcionária padrão.

Atriz ganha ajuda de Neymar para seguir carreira internacional

Além de estudar artes cênicas na Europa nos próximos meses, Bruna vai mergulhar em aulas particulares de inglês e espanhol, pagas por Neymar, com quem negou ter o desejo de se casar, neste momento. O objetivo é lançar Bruna, de 21 anos, em carreira internacional. O atleta tem ajudado nessa empreitada desde 2016, quando gravou participação no longa "Triplo X - Reativado". O jogador, aliás, levou o nome, currículo e fotos da namorada à produção de Vin Diesel. A ideia do craque do Barcelona é tentar encaixar Marquezine em uma participação em algum futuro filme do ator da saga "Velozes e Furiosos". O pai de Davi Lucca também pediu ajuda nesse sentido a Samuel L. Jackson. Uma participação da morena poderia servir de vitrine para a profissão no exterior. Desde que reataram o namoro, Bruna e Neymar têm passado longos períodos juntos em Barcelona, na casa do atleta. Com isso, Bruna já desembolsou mais de R$ 80 mil em viagens.

(Por Patrícia Dias)

Super Bactéria Mata Dois Recém-Nascidos no Hospital Materno Infantil em Goiânia

A direção do Hospital Materno Infantil (HMI), em Goiânia, confirmou que dois recém-nascidos morreram após serem infectados pela superbactéria Klebsiella pneumoniae Carbapenemase (KPC). Segundo comunicado da instituição, ambos estavam internados na Unidade de Cuidados Intermediários Neonatal (Ucin), que foi isolada na última sexta-feira (17) e não está recebendo novos pacientes. Não foram informadas as datas dos óbitos.


A nota do HMI destacou ainda que investiga a situação de outros quatro recém-nascidos onde há a suspeita de infecção. Dois deles estão internados na Ucin e outros dois na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal do hospital.

Transmitida em ambiente hospitalar, a KPC pode causar infecções sanguíneas, urinárias e generalizada, além de pneumonia. Os sintomas são febre, dor no corpo e dor na bexiga.

A situação é monitorada pela Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) do HMI. A Vigilância Sanitária também acompanha os trabalhos. Segundo a superintendente de vigilância em saúde do estado de Goiás, Maria Cecília Martins Brito, todos os procedimentos necessários foram tomados.

"Assim que souberam da infecção, essa comissão tomou as providências e nós começamos a verificar as medidas que deveriam ser tomadas".

Segundo informou  a assessoria de imprensa do HMI a previsão é que a Ucin permaneça isolada até quarta-feira (22).

Do G1