Ministério Agricultura

quinta-feira, 18 de maio de 2017

O Que A Delação do Dono da JBS Joesley Batista Tem a Ver Com Lula e Henrique Meirelles?

Henrique Meirelles foi eleito deputado federal por Goiás pelo PSDB, renunciou ao mandato para assumir a presidência do Banco Central a convite do então presidente Lula. 

Com Henrique Meirelles na presidência do banco Central e com financiamento do BNDES durante o governo Lula a JBS se transformou na maior processadora de carne animal do mundo com operações nos cinco continentes.Em 2005 o BNDES aprovou empréstimo de R$ 287 milhões para a JBS comprar as operações da Swift na Argentina. Em 2007 a JBS vendeu ações em oferta pública e um braço de investimento do BNDES aprovou uma participação de R$ 1,1 bilhão para ajudar a adquirir a Swift na época a terceira maior empresa de carne bovina e suína do EUA. Nasceu ai uma multinacional brasileira com dinheiro do BNDES.

Mais aquisições foram feitas, entre elas a da Pilgrim"s com sede em Pittsburgh, EUA, a da canadense XL Foods e de quatro processadora de carnes brasileiras. A JBS adquiriu a empresa de lácteo Vigor em 2009 como parte da aquisição do grupo Bertim SA. O BNDES converteu R$ 3 bilhões de títulos locais da JBS em ações em 2011. O BNDES aprovou R$ 6 bilhões em ações e R$ 2,4 bilhões de empréstimo para a JBS em uma década.

A JBS foi a maior financiadora da campanha de Dilma e Aécio Neves e financiou 1/3 dos parlamentares do congresso nacional. Distribuiu um total de R$ 387 milhões em doações eleitorais nas eleições de 2014.

Quando Lula deixou de ser presidente, Henrique Meirelles saiu do banco Central cumpriu um ano de quarentena e em 2012 Joesley Batista, presidente do conselho de administração da JBS, maior empresa de carnes do mundo, convidou o ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles para juntar-se a ele. O mais longevo presidente do BC comandaria o conselho consultivo da J&F, holding que, além da JBS, controla outras seis empresas do grupo, com uma receita total estimada em 65 bilhões de reais. “O Meirelles não vai ser apenas um consultor. Vai cobrar resultados dos executivos e traçar estratégias para a expansão do negócio”. “Agora é com ele.” Disse Joesley Batista na época. Segundo executivos que acompanharam o processo, o contrato de Henrique Meirelles com a J&F controladora da JBS previa uma remuneração anual de até 40 milhões de reais.


Um braço de investimento em participações do BNDES, tornou-se no maior acionista individual da JBS com 30,4% das ações. 


Henrique Meirelles foi diversas vezes indicado por Lula para assumir o Ministério da Fazenda no governo Dilma, mas foi sempre rejeitado pelo núcleo duro do PT que preferia Mercadante.

Agora na eminência da decretação da prisão do ex-presidente Lula, o dono da JBS decide por conta própria realizar gravações e fazer delação contra Eduardo Cunha, Aécio Neves e Michel Temer, coincidentemente os maiores inimigos de Lula. No entanto não existe qualquer menção na delação dos donos da JBS em relação ao ex-presidente Lula. Entendeu ou precisa desenhar?

Um comentário:

ORLY GUERRA disse...

Senhor Joesley Batista, já que conhece bem VACCARI e outros integrantes do PT, gostaria de pedir para falar o que o sr. sabe sobre a transação, em 2001, entre eles e o banco Espanhol SANTANDER, impondo "REAJUSTE ZERO" aos aposentados do extinto-BANESPA (privatizado em nov-2000). Perdemos 35,6% nas aposentadorias, apesar dos nossos "títulos inegociáveis" cujo saldo atuarial hoje é mais de 30 (TRINTA) BILHÕES.